Nada Se Compara à Voz de Jimmy Scott (1925-2014)


Morre Jimmy Scott, cantor de uma voz singular no Jazz. Ele se apresentou e cantou junto a Charlie Parker, Sarah Vaughan, Lester Young, Lionel Hampton, Charles Mingus, Fats Navarro, Quincy Jones, Bud Powell, Ray Charles, Wynton Marsalis, e Peter Cincotti. Ele também se apresentou e foi recebido por músicos de outros gêneros musicais como David Byrne, Lou Reed, Flea, Michael Stipe, e Antony & The Johnsons.
(Foto: Site do ITVS sobre o filme documentário “Jimmy Scott: I You Only Knew”; Reprodução/Internet, 
ITVS). 

Na última quinta-feira, 12 de junho, morreu o grande cantor afro estadunidense Jimmy Scott em sua casa em Las Vegas. A palavra grande é usada, claro, não por sua altura ou por seu peso, mas sim por sua voz única.

Jimmy tinha uma estatura pequena e uma voz contralto nada comum e que tocava em notas bem altas, isto devido a uma doença genética rara conhecida como síndrome de Kallmann, que o impediu de alcançar a puberdade. Por isso ele era chamado de “Little” (Pequeno) Jimmy Scott desde o início de sua carreira.

Jimmy Scott jovem. (Foto: Reprodução/Internet).

Ele não foi um cantor de muito sucesso e nem vendeu muitos discos. Sua voz era pungente, assombrosa, forte e delicada, era diferente e por isso, talvez, não seja uma voz que qualquer pessoa automaticamente se encantaria. Ele transformava as letras das músicas em uma espécie de cântico que ele embalava na tradição do jazz. E em sua fase mais madura, sua voz pode até, para alguns, se assemelhar às vozes de cantoras como Dinah Washington e Carmem Mcrae em momentos de amargura.

Assim, ele foi reconhecido não somente pelo seu enorme talento do jazz vocal, mas hoje ele também é visto como uma grande influência em várias gerações de cantores. jimmy tornou-se o cantor favorito de grandes cantores como Billie Holliday, Ray Charles, Frankie Valli, Dinah Washington, Nancy Wilson, Frank Sinatra e inúmeros outras vozes famosas.

Jason Newman em seu artigo sobre a morte de Jimmy Scott para a revista Rolling Stone, conta que “quando Axl Rose do grupo Guns N' Roses revelou sua lista de cantores favoritos, ele listou Jimmy Scott junto a Johnny Cash, Elvis Presley e Michael Jackson”.

Jimmy Scott junto a sua velha admiradora Madonna no vídeo clip da música “Secret” da cantora em 1999.
(Foto: Greg Scaffdi; Reprodução/Internet, 
Jazz Times). 

Em 1963 Ray Charles o levou para a Tangerine Records onde, sob a supervisão do próprio Ray, Jimmy gravou o disco Falling in Love is Wonderful (Se Apaixonar é Maravilhoso), considerado por muitos um dos melhores discos vocais de jazz de todos os tempos. Segundo Matt Schudel em “Jimmy Scott, hard-luck singer with a haunting voice, dies at 88” (Jimmy Scott, cantor de pouca sorte e de voz pungente, morre aos 88 anos), publicado no jornal The Washington Post em 13 de maio deste ano, o disco foi retirado das lojas por disputas legais entre gravadoras, e somente nos anos 90 a carreira de Jimmy foi ressuscitada “com uma série de novas gravações e apresentação que continuarem até ele chegar aos 80 anos de idade”.

Dos anos 60 até os anos 80, Jimmy trabalhou em um hotel e fazendo diversos bicos. Matt Schudel informa que em 2000, o crítico de artes Joseph Hooper descreveu Jimmy Scott no jornal The New York Times como “talvez o cantor americano mais injustamente ignorado do século 20.” Mas em 1992 ele se torna um marco cultural. “Filmes documentários foram feitos sobre sua vida, uma biografia foi escrita, e críticos louvaram seu canto idiossincrático e sua resiliência após uma vida de adversidades”, diz Schudel.

A primeira vez que eu escutei a voz de Jimmy Scott foi através de um CD que ganhei de presente de uma amiga no natal em 2003, lembro-me bem: O CD “Viva La Tristeza!”, lançado em 2002 e que contém as canções que Pedro Almadóvar escutou enquanto concebia o roteiro para o filme “Fale com Ela” (2002).

Naquele CD encontrei algo que nunca pensei que pudesse ouvir na vida: Uma versão tão forte e ao mesmo tempo tão diferente, e que se igualava em qualidade e em emoção à gravação de Sinead O’Connor para a música escrita para ela por Prince, “Nothing Compares 2U”, e sim, cantada por Jimmy Scott. E é por isso que entendo perfeitamente Madonna quando ela disse, “Jimmy Scott é o único cantor que me faz chorar”.

Nada se compara àquela voz. Vale a pena escutar...


Nenhum comentário:

Postar um comentário

('Trollagens' e comentários Desrespeitosos e Ofensivos não serão publicados):