O Telefilme “As Mãos de Meu filho” Mostra Rara Qualidade Na TV Aberta

Os atores Yago Machado, Ana Petta e Gustavo Falcão. (Foto: Divulgação Record)

Ao assistir “As Mãos de Meu filho” (2010), vê-se qualidade na produção de telefilmes nacionais. E isto revela que é totalmente possível fazer programação de qualidade na televisão brasileira.

Mas se o telefilme revela tal possibilidade na televisão brasileira, então por quê não há mais produções semelhantes? Devem haver mais do quê um único possível motivo para as besteiras mostradas na TV brasileira, mas o fato é que eu já havia perdido esperanças de encontrar algo com boa qualidade na rede aberta. Confesso que por isso, acabo assistindo muita televisão produzida nos Estados Unidos que hoje vem apresentando uma dramaturgia tão boa quanto as grandes produções cinematográficas.

Mas eis que ontem assisti o telefilme “As Mãos...” no canal Universal e fiquei super feliz de ver uma produção nacional para a televisão tão bem feita e… bem legal. Não foi uma mega produção. Muito pelo contrário. A produção é simples, não longa, enxuta. Uma adaptação bem feita do romance homômimo de Érico Veríssimo.

O diretor Adolfo Rosental e as atrizes Adriana Garambone (madame Novaes) e Ana Petta (Margarida) nos bastidores das gravações de "As Mãos de Meu Filho" (Foto: Divulgacao Record)

O telefilme de 2010 foi dirigido por Adolfo Rosenthal e tem o elenco formado por Ana Petta, Gustavo Falcão, Antonio Guerra, Yago Machado, com a participação especial de Vanja Orico e Adriana Garambone.

A Maff Distribuidora apresenta o seguinte resumo do telefilme:

“’As Mãos de Meu Filho’ é uma produção baseada na obra homônima de Érico Veríssimo, um dos escritores brasileiros mais populares do século XX. 1940, o jovem pianista Gilberto se apresenta num suntuoso teatro. No camarote seus pais assistem emocionados ao sucesso do filho. Durante o concerto, as lembranças de seus pais se misturam com as músicas de Beethoven, Chopin, Brahms, revelando a história desta família humilde que conseguiu superar o drama do alcoolismo do pai.”

Um dos fatores que me fez gostar do telefilme foi o fato deste ter me remetido às produção que são feitas pela rede inglesa de televisão BBC, que desde muito tempo atrás vem produzindo suas famosas adaptações dos clássicos da literatura inglesa, como os livros de Charlotte Brontë, Agatha Christie e Arthur Conan Doyle. Muitas das recentes produções da BBC, são hoje em dia exibidas no Brasil pela HBO, ou mesmo pelos canais da Globosat, e agora pelo próprio canal da BBC que hoje já faz parte do pacote da NET.

Como eu desconhecia a iniciativa desse tipo de programas de TV no Brasil fui pesquisar mais sobre a produção e aprendi que “As Mãos…” é parte de um pacote de nove telefilmes produzidos, até agora, pela produtora Contém Conteúdo para Rede Record desde 2008 para serem exibidos na programação de fim de ano como parte do Especial Record de Literatura. Bravo!

Infelizmente só fui saber da existência destas produções por conta da nova regulamentação da Ancine que tornou obrigatória a exibição de produções nacionais nos canais fechados. Ironicamente, a Universal é parceira da Globosat, que é Rede Globo, que é rival da Record. Mas como o site Notícias da TV-UOL informa, as produções dos telefilmes são produções independentes.

A série da Record apresenta adaptações das obras de escritores clássicos de língua portuguesa, como Érico Veríssimo, Machado de Assis, Jorge Amado, Guimarães Rosa e Eça de Queiroz. E desde o final do ano passado estão sendo reexibidas pela Universal preenchendo as cotas de produtos nacionais.

Certamente, isto prova só uma coisa: a televisão do Brasil é uma merda por que querem que ela seja uma grande merda. Quando se quer produzir algo de qualidade, algo de qualidade será produzido.

Além de educativo por ser adaptado de um livro, o quê pode espantar muito do público brasileiro (ou não), o filme “As Mãoes de Meu Filho” é bem feito, é nostálgico e não foge muito da narrativa da telenovela, tendo a produção somente acrescentado a esta um certo toque de refinamento cinematográfico.

Há uma grande possibilidade de que as cotas obrigatórias que incluem produções nacionais na televisão fechada estabelecidas pela Ancine, venha a provocar uma avalance de novos produtos nacionais de alta qualidade para a televisão. Talento já existe.

c&p


Fonte: Notícias da TV—UOL; Wikipedia



Nenhum comentário:

Postar um comentário

('Trollagens' e comentários Desrespeitosos e Ofensivos não serão publicados):